Obediente à visão celestial segunda-feira, jun 8 2009 

image

Por isso, ó rei Agripa, não fui desobediente à visão celestial – At 26.19

Ao se encontrar com o Senhor Jesus no caminho de Damasco, Paulo entrou num projeto de vida planejado pelo próprio Deus para ele. Ali Deus lhe mostrou qual era este projeto, levar o evangelho aos gentios. A partir daí, Paulo caminhou sempre nesta direção.

(mais…)

Anúncios

Aqueles que Deus usa para mudar a história sexta-feira, maio 8 2009 

Fale com os israelitas e diga o seguinte: qualquer homem ou mulher que fizer uma promessa especial de ser nazireu e dedicar-se ao serviço do SENHOR Deus, não deverá beber vinho nem cerveja. Não deverá beber nenhum tipo de vinho, nem qualquer outra bebida feita de suco de uvas; não comerá uvas frescas nem passas. Enquanto for nazireu, não comerá nada que venha da parreira, nem mesmo as sementes ou as cascas das uvas. Durante todo o tempo do seu voto de nazireu, não deverá cortar o cabelo, nem fazer a barba. Até acabar o tempo que ele separou para se dedicar ao serviço de Deus, ele se dedicará somente ao SENHOR e deixará crescer completamente o cabelo. O seu cabelo é um sinal da sua dedicação ao serviço de Deus. Por isso ele não deve se tornar impuro, chegando perto de algum morto, mesmo que seja o corpo do seu pai, ou da sua mãe, ou do seu irmão, ou da sua irmã. – Nm 6-2-7

A Bíblia diz que Deus separou a tribo de Levi para que lhe fosse uma tribo de sacerdotes e para que dela saíssem ministros (Ex 32.29). Somente a tribo de Levi teria este privilégio. Mas, e quem era de outras tribos e desejavam se consagrar a Deus, o que fazer? Para isso havia o voto de nazireu (Nm 6.1-8).

(mais…)

A Parábola do Bom samaritano – Restauração quinta-feira, abr 30 2009 

Acontece que um sacerdote estava descendo por aquele mesmo caminho. Quando viu o homem, tratou de passar pelo outro lado da estrada. Também um levita passou por ali. Olhou e também foi embora pelo outro lado da estrada. Mas um samaritano que estava viajando por aquele caminho chegou até ali. Quando viu o homem, ficou com muita pena dele. Então chegou perto dele, limpou os seus ferimentos com azeite e vinho e em seguida os enfaixou. Depois disso, o samaritano colocou-o no seu próprio animal e o levou para uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, entregou duas moedas de prata ao dono da pensão, dizendo: —Tome conta dele. Quando eu passar por aqui na volta, pagarei o que você gastar a mais com ele. Lucas 10.31-35

Deus não quer que nós caiamos. Uma vez que isso acontece, Ele ficará triste e irá nos repreender, mas, não irá nos abandonar. Deus é restaurador! Todo aquele que quer se levantar pode contar com a ajuda de Deus. Mas, quem Deus iria usar para ajudar este homem caído?

(mais…)

A Parábola do Bom Samaritano – A queda quinta-feira, abr 30 2009 

 

Jesus respondeu assim: —Um homem estava descendo de Jerusalém para Jericó. No caminho alguns ladrões o assaltaram, tiraram a sua roupa, bateram nele e o deixaram quase morto – Lc 10.30

Vemos que o homem da parábola, um judeu, estava descendo para Jericó. A estrada que descia de Jerusalém para Jericó era uma estrada muito perigosa. Cercada por barrancos e morros, esta estrada se tornava abrigo para bandidos e ladrões. Mesmo assim vemos um homem descendo por esta estrada sozinho.

(mais…)

Errais por não conhecer as escrituras e nem o poder de Deus quinta-feira, abr 23 2009 

 

Jesus respondeu: —Como vocês estão errados, não conhecendo nem as Escrituras Sagradas nem o poder de Deus. Pois, quando os mortos ressuscitarem, serão como os anjos do céu, e ninguém casará. Vocês nunca leram no Livro de Moisés o que está escrito sobre a ressurreição? Quando fala do espinheiro que estava em fogo, está escrito que Deus disse a Moisés: “Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó.” E Deus não é Deus dos mortos e sim dos vivos. Vocês estão completamente errados! – Mc 12.24-27

Os sacudeus eram uma facção religiosa do povo de Israel surgida no período interbíblico. Uma das características de suas crenças era sua visão materialista da Bíblia. Eles não acreditavam em anjos, nem em espírito e nem na ressurreição. Foi acerca deste último tema que eles vieram questionar ao Senhor Jesus. Eles tinham sérias divergências com os fariseus acerca da ressurreição. Os fariseus, apesar de sua religiosidade agressiva, eram mais ortodoxos em suas crenças. Os fariseus criam na ressurreição. Neste ponto, os saduceus sabiam, Jesus concordava com os fariseus.

(mais…)

Louvor ou bajulação quinta-feira, fev 12 2009 

guia4

Quando Jesus estava saindo de viagem, um homem veio correndo, ajoelhou-se na frente dele e perguntou: —Bom Mestre, o que devo fazer para conseguir a vida eterna? Jesus respondeu: —Por que você me chama de bom? Só Deus é bom, e mais ninguém – Mc 10.17,18

Um homem veio até Jesus com o que parecia serem as atitudes mais corretas possíveis. Ele veio correndo, se ajoelhou, chamou Jesus de Bom Mestre. Aquele moço tinha tudo para receber um elogio do Senhor Jesus. Mas, ao invés disso, Jesus o repreendeu. Isso porque Jesus não viu na atitude daquele homem nada de adoração ou de respeito. Aquele homem na verdade estava com bajulação.

É preciso orar quinta-feira, jan 22 2009 

bebe_orando

Então Jesus disse aos seus discípulos:-Imaginem que um de vocês vá à casa de um amigo, à meia-noite, e lhe diga: Amigo, me empreste três pães. – Lc 11.5

O evangelho de Lucas é o que mais fala da vida de oração do Senhor Jesus. Jesus procurava ensinar através do exemplo a importância de se ter uma vida de comunhão com o Pai. Através da parábola do amigo importuno Jesus ensinou aspectos importantes da oração.

Um destes é o que fala da proximidade que temos que ter com Deus para que nossas orações sejam atendidas. Um homem foi à noite na casa de seu amigo para lhe pedir três pães. Ele não foi à casa de um estranho. O grau de amizade que temos com Deus, vai determinar a eficácia de nossa oração. Jesus disse que nós seríamos Seus amigos se fizéssemos o que ele manda (Jo 15.14). Obediência a Deus nos fará seus amigos e fará com que nossas orações mudem as coisas.

Aquele homem foi pedir ao amigo três pães não para si, mas para alguém que havia chegado a sua casa. Isso é intercessão. Muitas vezes temos que nos esquecer de nós mesmos e pedir a Deus em favor de outros para que Deus abençoe o outro e a nós também. Foi quando Abraão orou pelas mulheres estéreis da casa de Abimeleque, que logo em seguida Deus atendeu o desejo do coração de Abraão dando-lhe um filho (Gn 20.17,18). A intercessão nos liberta do egoísmo.

Jesus também falou da importância da perseverança. Ele disse que é preciso pedir, buscar e bater. Há certas coisas que não irão acontecer depois da primeira oração que fizermos. Certas coisas exigem que entremos em uma verdadeira batalha de oração. É claro que não é uma batalha contra Deus para que ele mude de idéia. A batalha é porque quando oramos por outros existe a questão do livre arbítrio de cada um e também do nosso adversário que luta contra nós. Daniel enfrentou isso (Dn 10).

Jesus disse que nosso Pai está disposto a sempre nos dar mais do que pedimos. Ele nos incentivou a orar ao dizer: “Peçam e vocês receberão”. Oremos então.

Que Desperdício domingo, nov 9 2008 

…Uma mulher chegou com um frasco feito de alabastro, cheio de perfume de nardo puro, muito caro. Ela quebrou o gargalo do frasco e derramou o perfume na cabeça de Jesus. Alguns que estavam ali ficaram zangados e disseram uns aos outros: —Que desperdício! …
Mas Jesus disse: —Deixem esta mulher em paz! Por que é que vocês a estão aborrecendo? Ela fez para mim uma coisa muito boa… Ela fez tudo o que pôde, pois antes da minha morte veio perfumar o meu corpo para o meu sepultamento. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: em qualquer lugar do mundo onde o evangelho for anunciado, será contado o que ela fez, e ela será lembrada – Mc 14.3-9

Maria quis demonstrar a dedicação de sua vida ao Senhor Jesus através de um ato profético. Ela que gostava de se quedar aos pés do Senhor, agora quebrava um vaso cheio de perfume caríssimo e o despejava nEle. Tudo isso para o Seu prazer.
Aquele vaso era a própria Maria. Como aquele vaso, devemos ser cada de um de nós. Nossa vida deve ser derramada no serviço de Deus e para o Seu deleite. Quebrar o vaso é abrir mão dos nossos interesses, dos nossos projetos, dos nossos sonhos. Quebrar o vaso é sermos absolutos naquilo que fazemos. Quebrar o vaso é não deixar nada para traz a fim de não fazermos como a mulher de Ló.
Quando fazemos isso, parece um desperdício aos olhos dos outros e às vezes, aos nossos olhos também. As pessoas dizem que é um desperdício investir nossa inteligência, nossa força e, o que é mais caro, os melhores anos de nossas vidas ao corpo de Cristo. Poderíamos investi-lo em algo mais notável.
Mas quando fazemos isso o cheiro do perfume se espalha e muitos e muitos são abençoados. São pessoas que fazem assim que perfumam este mundo.
O que nos interessa é o prazer dAquele que nos chamou. E Ele prometeu que o que fizermos por amor ao seu reino jamais será esquecido.

A Árvore Privilegiada quinta-feira, nov 6 2008 

Então Jesus contou esta parábola: — Certo homem tinha uma figueira na sua plantação de uvas. E, quando foi procurar figos, não encontrou nenhum. Aí disse ao homem que tomava conta da plantação: “Olhe! Já faz três anos seguidos que venho buscar figos nesta figueira e não encontro nenhum. Corte esta figueira! Por que deixá-la continuar tirando a força da terra sem produzir nada?” Mas o empregado respondeu: “Patrão, deixe a figueira ficar mais este ano. Eu vou afofar a terra em volta dela e pôr bastante adubo. Se no ano que vem ela der figos, muito bem. Se não der, então mande cortá-la.” – Lc 13.6-13

Uma figueira plantada no meio da plantação de uvas! Isso fala de uma figueira privilegiada. O contexto mostra que Jesus estava se referindo ao povo de Israel. Mas, naturalmente, a lição se estende ao todo aquele que é colocado em posições privilegiadas por Deus. O que Deus espera de alguém assim é que ele dê frutos. Quem nos plantou, cuida de nós e investe em nós, e vem constantemente examinar para ver se valeu a pena. O ruim é quando tudo o que ele encontra são folhas. Folhas apontam para a aparência. Muitas vezes é somente isso que Deus tem encontrado em muitos. Quando isso acontece, primeiro Deus espera, espera e espera. Mas, o dia chega em que Deus diz “Chega”. A figueira privilegiada estava ocupando inutilmente a terra e tirando sua força. Já pensou! Quem não dá frutos ocupa lugar inutilmente e ainda tira a força da terra, ou seja, atrapalha os outros. Estes não dão frutos e ainda atrapalham os outros de dar. Por isso o Dono tem que dizer “Chega”.
Mas ainda tem o empregado. Este pede ao Dono que tenha paciência e espere mais um ano, pois Ele vai trabalhar na terra e adubá-la para ver se a figueira reage. Este Empregado aponta para Jesus, o nosso Advogado. Ele não discorda de que se a figueira não der frutos terá que ser cortada. Ele só pede que o Dono espere mais um pouco. Além de Jesus, temos nessa vida pessoas que intercedem por aqueles para quem o tempo está se esgotando. Estes são o motivo de alguns ainda estarem ocupando seus lugares. Os intercessores adubam a terra das figueiras estéreis com suas orações e palavras. Louvamos a Deus pelos intercessores!
Mesmo com a intercessão e auxílio de Jesus e dos Seus intercessores, cabe à figueira reagir. Ou ela dá frutos ou então terá que ser cortada para que outra árvore ocupe seu lugar e de seus frutos.

Que Deus tenha misericórdia de nós!!

O altar da preparação sexta-feira, maio 16 2008 

1 Reis 18.30-35

Para enfrentar os profetas de Baal, Elias fez os preparativos para que Deus pudesse agir. Muitos são os que passam vergonha ao entrar em um desafio sem preparação. Deus só tem compromisso com quem tem compromisso com Ele. A preparação de Elias nos mostra como abrir o caminho para a resposta de Deus:
Comunhão – o profeta disse para que o povo chegasse mais perto dele. Só podemos esperar resposta de Deus se estivermos em comunhão com os irmão. Individualismo só nos enfraquece.

Concerto – o altar estava quebrado e Elias o concertou. Isso fala de fazermos reparos em nossas vidas.

O altar – Elias mandou trazer doze pedras e colocou-as em ordem formando um altar. Este altar representava três coisas: A) O governo de Deus sobre a pessoa; só poderão enfrentar desafios aqueles cujas vidas estão sob o governo de Deus. B) Uma vida em ordem; vida desordenada desqualifica a pessoa a enfrentar o inimigo e desagrada a Deus. C) Uma vida de comunhão; nossa vida deve estar no altar da oração; sem oração o fogo nunca cairá.

O Holocausto preparado – O holocausto apontava para a fé no sacrifício de Cristo na cruz. Devemos lembrar que nossa vitória está baseada naquilo que Cristo fez por nós na cruz. É pelo sangue de Cristo que temos acesso à presença de Deus (Hb 10.19).

Água – a água jogada sobre o altar fala de uma vida cheia do Espírito.

Próxima Página »