E Naamã, chefe do exército do rei da Síria, era um grande homem diante do seu senhor e de muito respeito; porque por ele o SENHOR dera livramento aos siros; e era este varão homem valoroso, porém leproso – 2 Reis 5.1

Naamã era um homem valoroso. Diz a Bíblia que por ele, Deus havia dado grandes vitórias para o rei da Síria. Era o tipo de pessoa que todos admiravam. Mas, ele tinha um sério problema: ele era leproso.

A lepra, na Bíblia é um símbolo do pecado. Há vários pontos análogos entre o pecado e a lepra. A lepra começa com uma pequena mancha que vai crescendo e tomando conta do corpo. O pecado começa com algo pequeno, geralmente um pensamento, um olhar, um sentimento, e cresce e toma conta da vida toda. O leproso era obrigado a viver afastado de todos. O pecado afasta o homem de Deus. A lepra tornava a carne da pessoa insensível. O pecado vai cauterizando e tornando o coração da pessoa insensível. E por ai vão as semelhanças.

Olhando para um Naamã, grandemente usado por Deus para alcançar grandes vitórias, mas leproso, fico a pensar em certo tipo de pessoas.

Existem pessoas que também são grandemente usadas por Deus e que são admiradas por todos, que, porém trazem em suas vidas sérios problemas. Não estou aqui falando de hipócritas. O hipócrita é aquele que usa uma máscara e que luta, não para se libertar, e sim para que ninguém descubra sua vida de pecado. Estes já estão mortos. Falo aqui daqueles que são sinceros e que lutam contra certos pecados em suas vidas que teimam em se repetir. Falo do pecado que vira um vício na vida da pessoa. Quando a pessoa tem este tipo de problema, cada vez que acontece, ela se arrepende e acredita que é a última vez. Mas, a coisa acontece de novo. Aí a pessoa se sente arrasada. Ora, confessa aquilo novamente e, por algum tempo parece que agora o problema foi resolvido. Mas, olha ele caindo de novo. Sem vergonhisse? Acho que não!

Um dia conversando com um rapaz que fazia algum tempo que se encontrava afastado da igreja, ele disse algo assim: “o evangelho não funcionou para mim”. Então passou a contar a luta que travou contra o pecado sem conseguir se libertar. Ficou escandalizado, pois achou que nem sequer iria ser tentado por aquele pecado novamente. Mas entrou num ciclo de cair e se levantar novamente, até que se cansou da luta e se rendeu, não a Cristo, mas ao pecado.

Sei que lutas como a que esse moço travou, muitos que estão dentro da igreja travam também. Mas, o que fazer em situações como estas? Creio que a história de Naamã pode nos ensinar alguns princípios de como sermos curados desta lepra.

Primeiramente, Naamã foi a Israel buscar a cura. Isso fala de tomar atitudes concretas rumo à libertação. Nossa decisão de nos libertarmos do pecado deve ser acompanhada de atitudes que mostram que não somos como as pessoas que vivem dizendo que começarão o regime na segunda-feira, mas esta segunda feira não chega nunca. A pessoa tem que parar de falar e agir. Mas, agir como? Fazer o que?…

Naamã foi buscar o profeta para que ele o ajudasse. Na luta contra este tipo de pecado precisamos de ajuda. Tentar vencer isso sozinho só nos fará desanimar e perder de vista o alvo. Até Moisés precisou de ajuda na luta contra Amaleque. Quando seus braços se cansavam, lá estavam Aarão e Hur para ajudá-lo a levantá-los (Ex 17.11,12). Há profetas que Deus levanta para nos orientar, nos ajudar e orar por nós. Mas temos que tomar cuidado com uma coisa…

Cuidado para não fazer como Naamã que foi procurar ajuda no lugar errado. Muitos são os que foram procurar ajuda no lugar errado e com a pessoa errada e acabaram se machucando mais. Há muitos que não conseguem se abrir com mais ninguém, por que um dia foram procurar ajuda e tiveram suas vidas expostas. Muito cuidado. Nada de se abrir com quem não pode te ajudar, ainda que seja um rei. E se você já se decepcionou com alguém, lembre-se que as pessoas são diferentes.

Uma coisa decisiva para a cura de Naamã era que ele deveria seguir à risca a orientação do profeta de Deus. Se a pessoa vai procurar o médico, ela deve saber que ele pode lhe passar a receita, mas seguir esta receita é com a pessoa que quer a cura. Só o fato de ir ao médico não cura ninguém. A pessoa que quer se ajudar tem que aprender a seguir orientações.

Naamã deveria ir ao Jordão e ali mergulhar sete vezes. A palavra “Jordão” significa “aquele que desce”. Isso mostra que, quem quer ser curado da lepra do pecado tem que aprender a descer, a se humilhar. Muitas pessoas ficam numa batalha solitária, sem buscar ajuda, porque não conseguem se abrir com ninguém por acharem humilhante. A pessoa fica pensando em qual será a reação de quem a ouvir, o que vão pensar dela, e coisas do tipo. Sei que há coisas que não são fáceis de se contar, mas é preciso “descer”. Quem se humilha será exaltado. É preciso, muitas vezes, se submeter a certas humilhações inevitáveis vindas da parte de outras pessoas. É preciso ficar como um cordeiro mudo diante de seus tosquiadores. É preciso deixar Simei jogar pedras em nós (2 Sm 16.6-13). Isso é passageiro.

Por fim, é preciso ter fé na palavra de Deus. É ela quem nos diz que o pecado não terá domínio sobre nós (Rm 6.14). Temos que olhar para a palavra de Deus e pedir que Deus a cumpra em nós. É pela fé que a palavra de Deus se cumpre em nós.

Não deixe de ler também esta reflexão: Jesus tocou nele. Leia também as reflexões relacionadas abaixo.

*  *  *

Ah, antes que eu termine. Nos últimos contatos que tive com aquele rapaz que disse que o evangelho não havia funcionado para ele, ele me disse que já a vários anos estava curado de sua lepra e vivia uma nova vida. O evangelho, o verdadeiro evangelho, o evangelho da graça, sempre funciona. Glória ao Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo!!!

Anúncios